Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Blog mais intenso a partir de amanhã

Embora tenhamos postado 104 mensagens (com esta) em janeiro, nosso blog teve um ritmo menor do que o normal. Algumas razões, como período de férias, justificam tal procedimento.
Mas, agora, permitindo Deus, entraremos num ritmo acelerado e nossas postagens serão cada vez mais intensas e relevantes.
Acompanhe a gente, vale a pena!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Pérolas da Sala de Oração

            Experiência agradável que desfrutamos em nossa Igreja é ter criado a Sala de Oração. Fica aberta toda quarta-feira, desde 06h59min até terminar o culto, por volta de 21h 15min. Quem passa por lá, encontra um ambiente preparado, material impresso para reflexão, livro para anotações e oportunidade de compartilhar bênçãos e aflições.
Passar um tempo lá tem sido uma experiência marcante. Não só pelos benefícios da oração em si, mas, também, pelas pérolas que encontramos registradas por irmãos e irmãs.
            Registro duas pérolas encontradas lá, registradas em 17 de novembro de 2011 e 01 de dezembro de 2011, respectivamente:
                                              
Logo que cheguei,
Orei e agradeci ao Senhor.
Unção, então, senti pelas bênçãos,
Vitória pela graça que me deste.
Ouviste, Senhor, meu clamor.
Risos, paz, amor e gratidão.

Perdão pelos meus pecados.
Escuta, Senhor, o meu clamor.
Rogo, Pai amado, eu fui liberto.
Dai-me tua salvação.
Agradeço, pois eu fui liberto,
Orando na sombra da tua proteção.
           
            Mesmo escrito em datas diferentes, relacionam duas verdades, dois ensinos da palavra de Deus. Não há louvor sem perdão. Nem perdão de Deus se não perdoarmos ao nosso irmão. É o que preveniu Jesus em Mateus 6.14-15: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.
            Um bom exercício para o cristão: antes de louvar, procure saber como está o seu coração em relação ao seu semelhante. Caso haja algum problema, cumpra o que está em Mateus 5.23-24: “Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta”.
            É curioso encontrar cristãos, depois de dois mil anos de cristianismo, que ainda pensa que servir a Deus não se relaciona com servir ao próximo. Por imaturidade ou rebeldia, o fato é que alguns, e até mesmo nós incorremos neste erro, louvam no templo no domingo e de segunda à sexta, no trabalho, em casa ou no lazer, ferem com muita facilidade ao semelhante.
            Interessante a observação de João, em sua epístola, capítulo 4, verso 20: “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”.
Como foi edificante ler os poemas! Tocou-me o coração! Inundou-me a alma! Refrigerou minha vida! Reanimou-me! Encorajou-me!
E como toda citação deve ter a fonte, a autoria dos acrósticos é da irmã Vilma, frequentadora assídua da Sala.
Por falar nisso, você gostaria de passar um tempo na Sala de Oração?

EU SOU UM VENDEDOR DE PICOLÉS (I)

Gostei de ler o que escreveu a neurocientista Suzana Herculano-Houzel:
"Podemos mudar a história: a partir do momento em que tomamos ciência de nossos sentimentos. Se nosso córtex pré-frontal não consegue mandar no hipotálamo, ele ao menos nos permite reconhecer nossos impulsos... e mudar de ideia. Agir diferente. Conter um impulso. Responder diferente. Não escolhemos por quem nos apaixonamos -- mas temos, sim, o poder de decidir o que fazer a respeito..." (Folha de S. Paulo, de 26.1.2-12).
A premissa se aplica ao nosso passado. Não podemos mudá-lo, mas podemos decidir o que faremos com ele.
Quando eu era menino, morava perto de uma linha de trem, na qual brincava. Minha mãe dizia que não deveria ultrapassar o asfalto, no caso a rodovia BR 31 (hoje BR 101), na entrada de Vitória (ES).
Acontece que eu vendia picolés (de coco, creme, chocolate e abacaxi) numa caixa e precisava explorar novos mercados e voltar com a caixa vazia para casa. Então, voz materna guardada no peito, olhos atentos aos carros na rodovia, eu explorei o outro lado.
Minha mãe (obrigado!) já morreu e eu continuo buscando outros mercados para vender meus picolés.


Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

Steve Jobs, o Sucesso e a Bíblia

Por Robert J. Tamasy*

Quando Steve Jobs morreu no ano passado, deixou um legado de realizações que mudaram de forma impressionante nosso modo de viver. Como co-fundador da Apple Inc., ele foi a figura central na revolução do computador pessoal. O Macintosh da Apple, apresentado no início dos anos 80, transformou a maneira como pensamos e usamos computadores. Ele foi também co-fundador dos Estúdios de Animação Pixar, que abriram novos caminhos para filmes de animação computadorizada. Antes de sua morte, iPads, iPhones e Ipods ajudaram a abrir horizontes inimagináveis para a comunicação e o entretenimento. A vida e o trabalho de Jobs tocaram virtualmente todos os empresários e profissionais. 

Jobs era um visionário único, pioneiro e inovador, e todos podem extrair benefícios dos princípios que nortearam seu sucesso. O site Entrepreneur.com publicou um artigo descrevendo as “sete regras de sucesso” de Jobs. Embora ele não fosse adepto do cristianismo, cada uma de suas regras de sucesso se alinha a princípios bíblicos estabelecidos há milhares de anos. Vamos examiná-los:

1.   Faça o que você ama. Jobs afirmou: “Pessoas com paixão podem mudar o mundo para melhor”. A ideia de paixão e propósito em nossas buscas diárias é resumida no livro de Colossenses 3.23-24: “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da herança...”.

2.   Deixe uma marca no universo. Jobs certa vez perguntou ao CEO de uma companhia de bebidas: “Você quer gastar sua vida vendendo água açucarada ou quer mudar o mundo”?  Ele era a favor de uma visão vigorosa e atrativa. Provérbios 29.18 oferece uma ideia semelhante: “Onde não há visão, o povo perece” (tradução livre).

3.   Faça conexões. O pensamento de Jobs era tornar-se rico de experiências variadas e conectar ideias de diferentes campos. Esta ideia de conexão é sustentada por Romanos 8.28, que afirma: “Pois sabemos que todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles a quem Ele chamou de acordo com o Seu plano”. 

4.   Diga não a mil coisas. Manter foco bem definido foi importante para Jobs, que afastou produtos promissores, mas que poderiam ter minado a perícia e o sucesso de sua empresa. No Antigo Testamento da Bíblia, Provérbios 4.27 afirma: “Evite o mal e caminhe sempre em frente; não se desvie um só passo do caminho certo”. 

5.   Crie loucamente experiências diferentes. Ao desenvolver lojas de varejo, Jobs queria que os clientes tivessem uma experiência profunda e enriquecedora. Jesus exibiu uma atitude do tipo “primeiro os outros” quando ensinou: “Façam aos outros a mesma coisa que querem que eles façam a vocês” (Lucas 6.31).

6.   Domine a fundo a mensagem. Jobs compreendeu que mesmo as melhores ideias, se não forem eficientemente comunicadas, são de pouco valor. Por motivo semelhante o apóstolo Paulo escreveu: “Sejam sábios no procedimento para com os de fora... O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um” (Colossenses 4.5-6).

7.   Venda sonhos, não produtos. Jobs compreendeu a importância de apelar para os desejos, esperanças e ambições das pessoas. Jesus ofereceu motivação semelhante a Seus seguidores: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações... ensinando-os a obedecer a tudo o que Eu lhes ordenei...” (Mateus 28.19-20). 


*Vice-presidente de comunicações da Leaders Legacy, corporação beneficente com sede em Atlanta. Georgia, USA.  Com mais de 30 anos de trabalho como jornalista, é co-autor e editor de nove livros.Tradução de Mércia Padovani. 
Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes (fortes@cbmc.org.com)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Sejamos Radicais

Nos tempos da Guerra Fria, um jovem comunista entregou uma carta à sua noiva, explicando por que não podia continuar o noivado. O pai da moça entregou a carta a Billy Graham, que lhe deu publicidade. Eis alguns trechos:
"Nós, comunistas, não temos tempo para ir a cinema ou concertos. Temos sido chamados de fanáticos. E somos. Nossa vida é dominada por um grande fator, que se sobreleva, a luta pela revolução. Nós, comunistas, temos uma filosofia de vida que dinheiro nenhum pode comprar. Temos uma causa pela qual lutar, um propósito definido na vida, e subordinamos nosso eu insignificante a um grande movimento da Humanidade (…). Há uma coisa a que me dedico, com o máximo fervor, e isso é a causa do comunismo. Ele é a minha vida, meu negócio, minha religião, meu passatempo, minha namorada, minha mulher, meu segredo, meu pão e minha carne. Durante o dia, dedico-me a isso; e à noite, quando durmo, sonho com isso. Seu domínio sobre mim cresce com o passar do tempo e não diminui. Por conseguinte - dirigindo-se à sua noiva -, não posso manter uma amizade, um caso amoroso, nem mesmo uma conversa, sem relacioná-los com esta força que dirige e guia a minha vida. Avalio as pessoas, os livros, as ideias e as ações, de acordo com a maneira pela qual influenciam a causa comunista e pela atitude para com essa causa. Já fui preso por causa das minhas ideias e, se for necessário, estou pronto para enfrentar um pelotão de fuzilamento" (BRIGHT, Bill. Revolução Já! São Paulo: Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo, 1969, pp. 174-175).
O reino de Deus tem essa prioridade em nossas vidas? Você já optou pelo Reino com R maiúsculo como sendo sua prioridade número 1?
Pr. João Soares da Fonseca
jsfonseca@pibrj.org.br

Aprendendo com a experiência de um marginal

(Sermão pregado nos cultos de domingo, dia 22.01.12, iniciando de manhã e terminando a noite)
Texto: Marcos 10.46-52

Os três evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) narram a história.


Saindo eles de Jericó, seguiu-o uma grande multidão;
e eis que dois cegos, sentados junto do caminho, ouvindo que Jesus passava, clamaram, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de nós.
E a multidão os repreendeu, para que se calassem; eles, porém, clamaram ainda mais alto, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de nós.
E Jesus, parando, chamou-os e perguntou: Que quereis que vos faça?
Disseram-lhe eles: Senhor, que se nos abram os olhos.
E Jesus, movido de compaixão, tocou-lhes os olhos, e imediatamente recuperaram a vista, e o seguiram.
Mateus 20.29-34

Depois chegaram a Jericó. E, ao sair ele de Jericó com seus discípulos e uma grande multidão, estava sentado junto do caminho um mendigo cego, Bartimeu filho de Timeu.
Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno, começou a clamar, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim!
E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem compaixão de mim.
Parou, pois, Jesus e disse: Chamai-o. E chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama.
Nisto, lançando de si a sua capa, de um salto se levantou e foi ter com Jesus.
Perguntou-lhe Jesus: Que queres que te faça? Respondeu-lhe o cego: Mestre, que eu veja.
Disse-lhe Jesus: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente recuperou a vista, e foi seguindo pelo caminho.
Marcos 10.46-52

Ora, quando ele ia chegando a Jericó, estava um cego sentado junto do caminho, mendigando.
Este, pois, ouvindo passar a multidão, perguntou que era aquilo.
Disseram-lhe que Jesus, o nazareno, ia passando.
Então ele se pôs a clamar, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim!
E os que iam à frente repreendiam-no, para que se calasse; ele, porém, clamava ainda mais: Filho de Davi, tem compaixão de mim!
Parou, pois, Jesus, e mandou que lho trouxessem. Tendo ele chegado, perguntou-lhe:
Que queres que te faça? Respondeu ele: Senhor, que eu veja.
Disse-lhe Jesus: Vê; a tua fé te salvou.
Imediatamente recuperou a vista, e o foi seguindo, gloficando a Deus. E todo o povo, vendo isso, dava louvores a Deus.
Lucas 18.35-43

Introdução:


Definição de marginal:
1. Da margem. 2. Que está à margem. 3. Que ou quem vive à margem da sociedade. 4. Estrada ou rua junto à margem de um curso de água. Exemplo: Marginal Tietê.

Resolvendo um problema: Chegando ou saindo de Jericó?


Solução do problema: Cidade antiga, que foi destruída, e reconstruída e outro lugar.

Vamos às lições:

1ª - Verso 46: “...estava sentado junto do caminho um mendigo...”.
Junto do caminho, quer dizer, à margem do caminho.
Jesus disse: “Eu sou o caminho...”. Quem não estiver em Jesus, está à margem do caminho.

2ª - Verso 48: “...E muitos o repreendiam, para que se calasse...”.
“Quem tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, também clamará e não será ouvido” -
Provérbios 21.13

Há mais gente para desestimular você do que para estimular.

Há muitos que impedem as pessoas de se aproximarem de Jesus. Seria você um impedimento para que pessoas se aproximem de Jesus?

3ª - Verso 49: “Parou, pois, Jesus...”.
Quais são as suas prioridades: valorizar as coisas ou as pessoas?
Jesus está sempre disposto a parar para atender um necessitado.

4ª - Verso 49: “...Chamai-o”.
Jesus dá atenção especial quando clamamos.
O cântico diz: “E clamamos o nome de Jesus, E clamamos o nome de Jesus, E clamamos o nome de Jesus, Ele nos ajuda a carregar a cruz”.

Aplicações:
1ª - Fique atento aos marginais da vida, os que estão à beira do caminho.

2ª - Seja um facilitador para que marginais encontrem a solução para o problema.

3ª - Dê atenção aos clamores dos marginais (se você planejar 2 visitas por semana a pessoas necessitadas, em 1 ano, você visitará 100 pessoas).

4ª - Convide as pessoas para se aproximarem de quem se fez marginal por elas.
Apele ao coração das pessoas.
Confronte-as com amor sobre a condição espiritual.
Outras lições aprendidas com este marginal:

1ª - Persistência - V. 48 - “E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem compaixão de mim”.

Alguém já disse que o problema para quem desiste é que não sabe se a solução está na esquina seguinte.
Não desista, mesmo que muitos queiram desestimular você!

2ª - Prontidão - V. 50 – “Nisto, lançando de si a sua capa, de um salto se levantou e foi ter com Jesus”.

3ª - Renúncia - V. 50 - “Lançando de si a sua capa”.
Capa: amparo do frio e tipo de uniforme, autorização para mendigar.

4ª - Objetividade - V. 51 -Perguntou-lhe Jesus: Que queres que te faça? Respondeu-lhe o cego: Mestre, que eu veja”.

Responda sinceramente: Você sabe mesmo o que deseja de Deus?
Bartimeu podia generalizar: “Senhor, veja a minha situação: sou pobre, cego, preciso mendigar... o senhor sabe de minhas necessidades!”. Não, ele diz: “Eu quero ver!”.

Visão, sobretudo espiritual, é o maior pedido que podemos fazer. A maioria dos nossos problemas seria resolvido se tivermos visão.

5ª - Gratidão - V. 52 - “Disse-lhe Jesus: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente recuperou a vista, e foi seguindo pelo caminho”.

Há muitos que vão a Jesus até a bênção acontecer! Depois, se esquecem.

Conclusão:
Bartimeu pode ser você e eu!
Temos nossas necessidades!
Podemos clamar o nome de Jesus!
Ele nos dará atenção!
Que você quer receber dele hoje?

PALAVRA PURA, REFINADA SETE VEZES (II)

Devemos ler a Bíblia para permitir que Deus nos mentoreie.
A Bíblia foi escrita para nos ensinar a viver. Por ela, Deus nos pastoreia. Ela é lâmpada para os nossos pés (Salmo 119.105), na caminhada da vida.
A Bíblia nos foi legada para para nos preparar para as surpresas desagradáveis da vida. Erramos ao não conhecer as Escrituras. Quando vêm as dificuldades estamos fracos. A Bíblia é para nos ensinar a enfrentar o diagnóstico ruim de uma enfermidade, para aprender a conviver com a solidão, para aprender a superar a decepção. Quando estas coisas nos vieram, estaremos mais fortes se formos leitores da Bíblia.
A Bíblia foi preparada para nos preparar para uma vida de profundidade, que vem do silêncio, da meditação, da reflexão, longe, muito longe, da fofoca, do interesse pela vida alheia (um outro nome para o interesse pelas chamadas celebridades), da agenda superficial. Uma vida de profundidade, que nos prepara para uma vida que vale a pena, começa com o nosso desejo por comunhão com Deus e continua com o uso do nosso tempo naquelas coisas que são essenciais, nunca nas fúteis.

Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

PALAVRA PURA, REFINADA SETE VEZES (I)

Devemos ler a Bíblia porque ela nos faz compreender o modo de Deus agir.
Nas páginas das Escrituras Sagradas, vemos a graça de Deus em ação, mesmo nos textos que aparentemente são tão duros.
Quando perdemos pessoas queridas, ficamos sem entender. Quando, em busca de conforto, meditamos nas Sagradas Escrituras, encontramos a resposta essencial: o sofrimento não quer dizer que Deus não esteja atento ao nosso drama. Ele está presente e agiu.
Entendemos? Não.
Quando examinamos cuidadosamente a Bíblia, ela nos ensina sobre a nossa finitude. Ela nos mostra que o destino do irmão/amigo/parente morto é o nosso destino.
Quando examinamos cuidadosamente a Bíblia, descobrimos o verdadeiro caráter de Deus e o nosso próprio caráter, que não descobriríamos por nós mesmos. Ela é um retrato de Deus e também um espelho de quem somos.

Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

Posse do Ministro de Música Hélio Júnior


domingo, 22 de janeiro de 2012

Assembleia da Convenção Batista Brasileira - III - Entrevista com o Pr. Alair Lima

Participando ativamente das atividades da Assembleia, o pr. Alair Lima, pastor da Primeira Igreja Batista de Jardim Alcântara concedeu-nos a seguinte entrevista no último sábado, dia 21:


Blog Pr. Neemias Lima: Suas impressões sobre o primeiro dia da Assembleia dos Batistas:
Pr. Alair Lima: As melhores possíveis. Hoje o Pr. Sócrates disse que as fichas de inscrições já organizadas passam de 2.200 inscritos.

BPNL: Sobre a estrutura do local...
PAL: Excelente. Totalmente climatizado conseguindo atender as Organizações da Assembléia num mesmo local e oferecendo conforto. Som de qualidade e bom espaço para atender os stands.

BPNL: Resuma o sermão oficial do pr. Irland...
PAL: Com base no texto de Gálatas 4:19b  e tema:  “Ser como Cristo praticando a Bíblia”  o Pr. Irland falou que ser igual a Jesus é propósito eterno de Deus para todos nós, desafiou os crentes a viverem uma vida de integridade. E diante deste propósito de Deus, o próprio Deus prover para os crentes: Provisão da Palavra escrita, Provisão da Palavra de Jesus e Provisão do Espírito Santo dirigindo a vida dos crentes.

BPNL: Considerações finais:
PAL: Sábado aconteceram as câmaras Setoriais. E com muita expectativa as celebrações das noites em especial a noite missionária e a participação de Fernandinho na noite de terça. Ficando aí o grande desafio para Sergipe de não deixar a peteca cair, e oferecer no mesmo nível aqui de Foz com isto evitará que que a nossa média fique uma boa e uma ruim.O que esperamos é que em Sergipe seja melhor ou pelo menos igual.
Aproveito para agradecer a Deus e à PIB de Jardim Alcântara a bênção de participar de evento tão importante.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Assembleia da Convenção Batista Brasileira - III - Entrevista com o Ministro de Música Hélio Jr

Participando ativamente dos trabalhos da Convenção Batista Brasileira, em Foz do Iguaçu, o Ministro de Música Hélio Jr concedeu a seguinte entrevista:

BPNL: Que pontos altos destaca do Congresso dos Músicos?
MMHJ: Palavra do Pr Russel Shedd e os painéis de discussão.

BPNL: E do Congresso de Pastores?
MMHJ: As mensagens de uma forma geral, mais especialmente do Pr Davi Baeta e do Pr Eber Silva, o culto de Missões, especialmente os testemunhos dos ex missionários, e o levantamento de ofertas imediatas da compra de veículo para uso em Cuba, JMM, e na  Cracolândia, JMN.

BPNL: Alguma decisão relevante por parte dos músicos? E por parte dos Pastores?
MMHJ: Os momentos deliberativos foram muito pacíficos e harmoniosos

BPNL: Até agora, que nota daria ao encontro dos batistas em Foz?
MMHJ: 10

BPNL: Considerações finais:
MMHJ: Há uma grande expectativa que esse encontro será uma grande bênção.

Programa de Rádio

Todo sábado, de 8h 29min até 9h 59min, apresentamos o programa Mensagem de Amor na Rádio Boas Novas. Quem desejar acompanhar pela internet, http://105fmcabofrio.com.br/ 

DIANTE DA DECEPÇÃO

Por que é difícil lidar com a decepção?
É difícil lidar com a decepção porque ela vem depois do sonho. Desejamos, confiamos, imaginamos. Quando a decepção nos nocauteia, nossa vida desmorona porque ficamos sem desejo, sem sonho, sem confiança. Ficamos sem presente e sem futuro.
É difícil lidar com a decepção porque um de seus resultados é a mudança no grau de amizade que nutríamos com quem nos decepcionou. Em questão de minutos, a decepção pode transformar a amizade em indiferença ou mesmo em ódio.
É difícil lidar com a decepção porque o processo nos torna amargos e a amargura é o pior dos sentimentos, pela falsa certeza que nos dá que não podemos confiar, que não podemos amar.
É difícil lidar com a decepção porque ela nos ensina a generalizar. Pela memória da traição, passamos a achar que todos agirão como aquele/aquela que nos magoou.
Apesar da dificuldade, devemos nos lembrar que nós também somos capazes de decepcionar e, por isto, já decepcionamos alguém.
Apesar da dificuldade, devemos orar como Jesus nos ensinou, pedindo-lhe a ternura de perdoar, uma vez que esperamos ser perdoados quando for o caso de sermos os ofensores.
Apesar da dificuldade, devemos orar a Deus para que Ele nos ensine a confiar de novo.

Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

Assembleia da Convenção Batista Brasileira - II

Os batistas brasileiros tem um presidente atualmente que não foge dos problemas que precisam ser resolvidos. Com muita transparência, falou sobre a situação JUERP. Isso tranquiliza e dá esperanças para a solução dos problemas. Parabéns, pr. Paschoal Piragine.

Assembleia da Convenção Batista Brasileira - I

Neste momento, 15h 23min, pr. João Brito Costa Nogueira, de Vitória, ES, questiona sobre a ausência de informações sobre a JUERP que, segundo ele, é um defunto morto que continua gerando dívidas. 

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - XI

A partir de agora, nossas postagens terão o título: "Assembleia da Convenção Batista Brasileira", considerando que a assembleia da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil já se encerrou.

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - X

61 novas igrejas são arroladas como inscritas na Convenção Batista Brasileira. Isso dá uma média de cinco igrejas por mês. Segundo o relatório do pastor Sócrates, são 7.492 igrejas arroladas.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Pr. Éber Silva - Entrevista

Assim que terminou a sessão da manhã da assembleia da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, pelo telefone, falamos com o presidente reeleito, Pr. Éber Silva. Segundo a fonte do Pr. Juraci Bahia, se aconteceu reeleição ou eleição de presidente no primeiro escrutínio faz muito tempo.
De maneira muito cordial, pr. Éber nos responde:

BPNL: A que atribui a reeleição no primeiro escrutínio:
Pr. Éber: Só pode ser a graça de Deus, a misericórdia d'Ele... eu não mereço isso... é verdade que o companheirismo dos pastores, a experiência na direção da Ordem Fluminense e a consideração dos membros da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil foram fatores importantes, mas, sem dúvida, Deus tem sido muito bondoso para comigo.

BPNL: Desafios para este ano:
Pr. Éber: Temos a situação do pr. Juracy Bahia, obreiro extraordinário, que por muitos anos tem servido como Diretor Executivo, mas que atualmente tem desejado se dedicar mais ao ministério pastoral e deseja sua substituição, vamos trabalhar com muito carinho, teremos um reunião da diretoria e, não temos dúvidas, Deus nos orientará.

BPNL: E os projetos para este ano:
Pr. Éber: O Congresso de meio de ano, que acontecerá em Natal, RN, e mais três congressos regionais e três áreas estratégicas do Brasil. Temos certeza que Deus será honrado com a presença dos pastores batistas no Brasil.

BPNL: A assembleia em Foz do Iguaçu:
Pr. Éber: Ah, ontem foi derramamento do céu... Pr. Baeta, Cleuza Piragine, Pr. Valdo Fonseca e Pr. Russell Shedd foram instrumentos poderosos de Deus para nos edificar... não dava vontade terminar. Deus tem nos abençoado sobremaneira e, hoje de manhã, as duas juntas missionárias, que maravilha. Vivemos um tempo de refrigério e de grandes desafios.

Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - Nova Diretoria

Presidente: Pr. Éber Silva - Convenção Fluminense\
1º Vice-Presidente: Pr. Hilquias Paim - Convenção Paranaense
2º Vice-Presidente: Pr. Orivaldo Pimentel Lopes- Convenção Capixaba
3º Vice-Presidente: Pr. Aloízio Penido Bertho - Convenção Mineira
1º Secretário: Pr. Edson Silveira - Convenção Baiana
2º Secretário: Pr. Linaldo Guerra - Convenção Paranaense
3º Secretário: Pr. Marcelo Gomes Longa - Convenção Paulista

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - IX

Pr. Piragine, Presidente da Convenção Batista Brasileira, deu uma inspirada palavra às mulheres batistas do Brasil, em sua Assembleia Anual, convocando-as a um trabalho evangelístico em 2012 e se envolverem com a oração. Conclamou todas a abrirem uma sala de oração em sua igreja e espalharmos essa prática em todo o Brasil. 

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - VIII

Em contato com o pr. Lourenço Stélio Regga, Diretor da Faculdade Teológica Batista de São Paulo, tivemos a informação que a ABIBET, Associação Brasileira de Instituições Batistas de Ensino Teológico, "hoje teremos a discussão sobre os novos critérios para o ingresso de instituições na ABIBET e eleição da diretoria para 2012".

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - VII

Em contato agora, 10h 30min, com o pr. Sócrates de Oliveira, Diretor Executivo da Convenção Batista Brasileira, tivemos a informação que o número de inscritos para a Assembleia da Convenção ultrapassou o número de 1.700.
Considerando que muitos fazem sua inscrição no local, o número deve bater a casa dos 2000 mensageiros inscritos para discutirem os assuntos.
Para quem não sabe, a presença nos cultos das noites é sempre bem maior do que o número de inscritos, podendo chegar aos cinco mil presentes.

Pr. Éber Silva reeleito Presidente

Segundo informações do pr. Linaldo Guerra, pr. Éber Silva foi reeleito presidente da Ordem dos Pastore Batistas do Brasil, em primeiro escrutínio.

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - VI

Antes de iniciar a Sessão da Manhã, falamos com o pr. Éber Silva, presidente da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil e pastor da Segunda Igreja Batista de Campos, que se mostrava muito animado e grato pelo primeiro dia da Assembleia da Ordem dos Pastores. 
Segundo o presidente, Deus tem lhe dado uma oportunidade de ouro de servir aos pastores batistas do Brasil e sua vida tem sido muito abençoada.

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - V

Pr. Tercio Ribeiro de Souza postou no facebook:
Chego agora no quarto do hotel após um dia muito especial aqui em Foz do Iguaçu. começamos o dia no congresso da Ordem dos pastores, ouvindo o pr David Baetaque a partir do livro de Jó, nos ensinou que nenhum de nós consegue ser forte o tempo todo. depois a Ir Cleusa Piragine, nos desafiava a entender que o resultado de seguirmos a direção de Deus em nossas vidas sempre resultará em uma vida vitoriosa. Pr Valdo Fonseca falou sobre a importância do companheirismo no ministério, da necessidade de sairmos do isolamento e nos unirmos a pessoas "traga gente pro seu ministério." e no fim do dia, fomos super abençoados pelo Pr Russell Shedd, homem com profunda simplicidade, profundidade e que nos passa a certeza de ser ele alguém que verdadeiramente caminha com Cristo. Obrigado Senhor pelo dia de hoje, Obrigado minha família por me permitir estar aqui e obrigado PIB Maceió pelo investimento que possibilitou minha estada aqui - amo cada um de vcs.

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - IV

Falamos agora pouco com o pr. Roberlan Julião, pastor na Baixada Fluminense, que participa dos trabalhos em Foz do Iguaçu. Suas considerações foram inspiradoras, relatando um grande Congresso da Ordem dos Pastores e uma grande expectativa sobre a Assembleia da Convenção Batista Brasileira.
Mais cedo, falamos com o MM Hélio Jr e fomos informados que cerca de 800 pastores estão participando da Assembleia da Ordem.
Amanhã, permitindo Deus, teremos mais.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

ASSÉDIO SEXUAL NO PASTORADO

Pr. Lourenço Stélio Regas

Nos últimos tempos, é cada vez mais comum notícias sobre a vida sexual de pastores e líderes ganharem destaque na mídia. Nas próprias igrejas que conhecemos ou freqüentamos, invariavelmente, existe algum caso de assédio sexual que envolve a liderança. A questão sexual, que tanto marca a sociedade ocidental contemporânea, tornou-se uma preocupação sempre mais constante também dentro das igrejas. Diferente do restante da sociedade, que banaliza o sexo e até incentiva o prazer sem compromisso, quando o assédio sexual acontece no pastorado, marca para sempre a vida do obreiro e até o incapacita para o exercício de sua função.
A pergunta que costumam me fazer é: por que um líder, consagrado, conhecedor da Palavra de Deus, acaba caindo em adultério ou se envolvendo sexualmente com outra pessoa fora de seu relacionamento matrimonial?

Há diversas razões para isso e, dentre elas, é possível destacar algumas. Tenho percebido que muitos líderes, que caem em sua vida sexual, mantêm um viver mais orientado pela atividade ministerial que orientado por princípios norteadores da comunhão com Deus e respeito ao próximo, às ovelhas. Em outras palavras, o líder está muito ocupado com a obra do Senhor e pouco com o Senhor da obra; não tendo tempo para ouvir diariamente a sua voz, perde o temor a Ele e acaba avançando o sinal.

Em outro tipo de situação, o líder passa também a não dar tempo para sua família, para seu relacionamento matrimonial e vai se desligando afetivamente dos filhos e esposa a ponto de perder o referencial de lealdade “ao primeiro amor” e deslocar sua afetividade ao trabalho. No fundo, se torna um carente afetivo e fica vulnerável a qualquer situação de envolvimento sexual. Pessoas que lidam com este assunto afirmam que um marido e uma esposa que se cuidam afetiva e sexualmente são menos vulneráveis ao adultério.

Tenho conhecimento de colegas no ministério, que pouca ou nenhuma atenção dão à sua esposa e à sua família, se dedicam exclusivamente ao ministério achando que a Deus cabe suprir a sua ausência doméstica. Neste caso, não somente eles são vulneráveis, como também colocam a esposa na mesma situação. Paulo fala que os bispos - pastores - que não cuidam de sua casa, não devem cuidar da casa de Deus. Isso é grave.

Mas também há a fragilidade na formação estrutural ética do líder. Isto é, a pessoa pode até ter uma forte formação teológica e exegética, mas não tem uma sólida formação nos princípios éticos. As emoções e sensações falam mais alto e o líder termina por cair.

O senso de poder, presente naturalmente numa função de liderança, tem sido apontado como outro fator que pode causar esse desvio. O líder se acha tão poderoso, acreditando que pode tudo, inclusive se envolver afetiva e sexualmente com outra pessoa e se tornar impune.

Ainda temos a fragilidade na formação na área psíquica dos impulsos. O líder pode não ter recebido adequada estruturação nesta área e acabar caindo no que é conhecido como “compulsão sexual”, que é um vício. Vê a outra pessoa como um objeto sexual.

Como é possível perceber, as causas que levam ao assédio sexual na vida do obreiro são muitas e se não forem tratadas com energia e decisão - ainda que o assunto seja tão difícil -, podem prejudicar não somente a vida e a família dele, mas destruir a congregação. Há muita coisa ainda a ser dita sobre o assunto, mas, primeiro, é preciso refletir e tratar do que já foi falado aqui.

Fonte: www.clickfamilia.org.br

Extraído de vigiai.net

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - III

Pastor Tércio Ribeiro, de Alagoas, publicou no facebook:
Congresso dos pastores batistas em Foz - sendo profundamente abençoados pela vida do Pr David Baeta - homem de Deus!

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - II

Irmãos,
Já estou no ex-Paraguai, isto é, Foz do Iguaçu.
Duque de Caxias chegou aqui e mandou degolar todo mundo que não falava o português, como todo mundo falava o guarani, morreram todos...
E o Brasil ganhou a guerra que era do Paraguai contra a Argentina...
E ficou com um belo pedaço de terra.
Mas, ficou a história oficial e a dívida dos brasileiros com os militares, tiveram que ficar pagando pensão às viúvas e às filhas dos militares por mais de 100 anos, mas, o Fernando Henrique acabou com a festa.

Já estive no Hotel onde serão realizadas as assembléias, excelente local.
É um choque reverso positivo batista dos paranaenses em qualidade, para quem passou pelo Caio Martins (ninguém merece) a estrutura de Foz é de primeiro mundo, 1.000% melhor, tomara que as reuniões sejam tão proveitosas como foram em Niterói, afinal é isso que interessa.

Estou indo ao Paraguai hoje para dar uma espiadinha, afinal, não sou de ferro, depois vou às Cataratas, Cataratas é um dos locais mais belos do mundo, é uma sensação quase igual de ver o Rio de Janeiro do Cristo Redentor a noite... ou nadar com os belos peixes de Bonito no Mato Grosso do Sul, ou ainda, Parati... Natal, Jericoacoara, só vendo para crer.

Forte abraço,
Vital.

Não eram deficientes espirituais

Toda vez que vejo na TV as competições dos Jogos Paraolímpicos, recordo-me do que aconteceu no Estado de Washington, em 1976.

Os participantes, com deficiência mental e física, alinharam-se para a largada da corrida dos 100 metros rasos.

Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e conquistar alguma medalha.

Um dos garotos, tropeçou no asfalto, caiu e começou a chorar. Os outros ouviram o choro, diminuíram o passo, pararam e olharam para trás. Vendo que o companheiro havia caído, vários voltaram para ajudá-lo a levantar-se. Uma das meninas, com Síndrome de Down, ajoelhou-se, deu um beijo no garoto e disse: "Pronto, agora vai sarar!". Em seguida, os competidores deram-se os braços e andaram juntos até a linha de chegada.

O estádio inteiro se levantou e os aplaudiu longa e demoradamente.

Talvez os atletas fossem deficientes mentais. Mas com certeza, não eram "deficientes espirituais".

A guerra que o inferno move contra a igreja e contra os crentes não conhece trégua. Infelizmente, porém, muitos crentes sequer têm a percepção de que estamos sob ataque constante dessas forças. Ignoram que o Diabo planeja e se esforça por nos dividir para poder, assim, nos enfraquecer! Precisamos fortalecer mais e mais os nossos laços fraternais, levantar os caídos, aprendendo com Cristo a perdoar como Ele perdoou! Que tenhamos a sabedoria divina, que nos faz falar ou silenciar na hora certa, para que sejamos, como diz o hino-oração de José Ilídio Freire: "Um só rebanho, um só Pastor. / Uma só fé em um só Salvador. / Em teu amor unidos aqui, / num mesmo Espírito vamos a ti".

Pr. João Soares da Fonseca
jsfonseca@pibrj.org.br

ME INCLUA FORA DESSA, CARA PÁLIDA!

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 8 de janeiro de 2012

Um colunista escreveu um artigo intitulado “A cracolândia somos nós” (Folha, 6.1.12), focando os viciados em crack, em S. Paulo. Não declarou que somos culpados pela existência deles, e sim que eles são responsabilidade de todos. Mas o título é pouco lúcido. Um chamariz, mas infeliz. Eu não sou a cracolândia.

Por ser pastor, chamar-me-ão de reacionário, direitista (até porque não recito chavões esquerdistas que eu adorava quando adolescente). Mas alguns comentários de leitores, mesmo atribuindo ao jornalista o que ele não disse, são úteis. Um deles, Calango Doido (pitoresco!), disse: “Cracolândia somos nós uma pinóia. Inclua-me fora desta. Nunca colaborei com o tráfico e meus filhos foram muito bem criados para que eu também leve esta alcunha. Se você se sente culpado em algo, então diga que a Cracolândia é você, eu não tenho nada a ver com aquela tranqueira”. Outro escreveu: “Eu pago 40% do PIB em impostos para ter saúde, educação, segurança e NÃO TENHO NADA DISSO. Agora segundo o pensamento do Sr. ******, sempre temos responsabilidade em todas as mazelas espalhadas por ai . Outro dia veio dizer que motoboy psicopata é CULPA de todos”. Um terceiro disse: “Esse papo de novo que todo cidadão é culpado pelas mazelas da sociedade já é demais. Drogados não foram obrigados a entrar nessa vida. Se existem culpados nessa história, é certamente o poder público que deixou a situação chegar nessa proporção, e os próprios viciados que alimentam o tráfico”. Não sou o único reacionário deste país. Ou o único a não ceder ao sociologismo bocó…

A Bíblia diz que somos responsáveis por nossas opções. “Escolhei hoje…” (Js 24.15). Somos chamados a tomar decisões e administrar nossa vida. Você é responsável pelo que faz. Hoje ninguém assume culpa de nada. Culpam os pais, a sociedade, os políticos (e quem os elege, não tem culpa?). Ninguém diz: “Errei!”.

A graça de Deus nos capacita a acertar na vida. Paulo não se via digno de ser apóstolo, “mas pela graça de Deus sou o que sou” (1Co 15.9-10). Se você acertar, tem mérito, mas deve reconhecer que a bondade e a graça de Deus lhe ajudaram. Se der errado, o culpado não são seus pais nem a sociedade, ente fictício que é todo mundo e não é ninguém. É você. Você faz a sua vida. Pare com o “tadinho de mim!”. O coitadismo é uma desgraça!

Inclua-me fora dessa, cara pálida! Estou a 4.000 km da cracolândia paulista. Basta-me a daqui. Viciados merecem compaixão e ajuda. No entanto, não cedo ao politicamente correto: são pessoas que fizeram opões erradas em sua vida, cuidaram-na mal, e cederam ao pecado. Merecem compaixão. E são uma advertência: quem faz escolhas erradas deve arcar com as conseqüências. Por isso, cuide bem de sua vida.

A VIDA É O SEU PROJETO (IV) - SÍNTESE

Escrito o nosso projeto, devemos resumi-lo numa frase, preferentemente por escrito, para que seja algo tão claro e simples, que não o esqueceremos.
O conselho vem de longe, como o dado por Deus ao profeta Habacuque: "Escreva em tábuas a visão que você vai ter, escreva com clareza o que vou lhe mostrar, para que possa ser lido com facilidade" (Habacuque 2.2)
Uma grande empresa é conhecida por sua marca e pelo seu slogan.
Também precisamos de um slogan, que defina o nosso projeto de vida.
Como exemplo, veja o que o ex-ateu Lee Strobel propôs, quando perguntado sobre seus planos para o novo ano:
"Eu tenho três grandes resoluções. Primeiro, quero alcançar mais e mais pessoas com o Evangelho. Segundo, eu quero alcançar mais e mais pessoas com o Evangelho. Terceiro, eu quero alcançar mais e mais pessoas com o Evangelho".
Mais claro, impossível.
Vencemos quando sabemos o que queremos.

Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

Mensagens na Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - II

“Bíblia na Igreja para um Ministério Vivo em Missões”
Dr. Craig Culbreth

Introdução
A Bíblia é sobre uma missão? O que isso parece?
O que isso significa para você e para mim?

O plano é simples:

Encontre a Missão (Atos 8) – isso é sobre nós pensando sobre missões. Isso começa com a nossa Mente.
Pedro tem o seu padrão de pensamento harmonizado por Deus. Precisamos que nossa harmonização nos faça ver o que Deus vê. Precisamos pensar como Missionários.

Abrace a Missão (Atos 11 – 13) – Isso é sobre ter compaixão por missões. Isso é sobre o nosso Coração.
Nós vemos que a Igreja em Antioquia tinha uma Causa muita clara. Eles foram os primeiros a contar aos outros sobre Jesus, que era diferente deles. Em segundo lugar, eles estavam Cooperando com Deus. Finalmente, eles tinham seus corações tocados com Compaixão.

Engaje-se na Missão  (Atos 16,17) – Isso é sobre nossa atividade. Isso é sobre as nossas mãos. Devemos não apenas falar de missões, mas envolver-se em fazer missões. Isso é sobre fazer missões mesmo que os métodos sejam diferentes. Devemos compreender nosso público-alvo e, então ajustar os métodos.

Conclusão
Apocalipse 7.9
No final nós veremos as nações do mundo alcançadas pelo evangelho. Seremos parte disso? Isso vai acontecer, por isso temos uma escolha. Podemos ficar parados e ver isso acontecer ou fazer acontecer.

A VIDA É O SEU PROJETO (III) - RECURSOS

Se queremos uma vida melhor, devemos planejar.
Se queremos uma vida melhor, devemos persistir.
Se queremos uma vida melhor, devemos começar onde estamos.
Quando eu era um menino, em Campo Grande, na região metropolitana de Vitória (ES), apareceu em nossa igreja o professor Oliveira.
Sem um dos braços, ele tocava gaita, bateria, violão e chocalho, apresentando-se como "o homem-orquestra". Na frente da bateria, havia a teofânica inscrição: "QUERER É PODER".
Nunca esqueci esta elegia à força de vontade.
O professor Oliveira olhou para si mesmo, viu sua condição e, sem se lamuriar, começou de onde estava.
Além disso, ele avaliou os recursos, importando-se menos com o que não tinha (um dos braços) e mais com o que dispunha.
Como o rapaz das histórias das multiplicações de pães e peixes, encetadas por Jesus, ele pôs seus recursos nas mãos de Deus e... aconteceu o que aconteceu.
Por que não fazemos o mesmo, mesmo que achemos tão modestos os nossos recursos?

Desejo-lhe um BOM DIA.
Israel Belo de Azevedo

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Assembleia da Convenção Batista Brasileira e Ordem dos Pastores Batistas do Brasil

Acompanhe aqui informações atualizadas sobre os eventos mais importantes dos batistas do Brasil, acontecendo a partir de amanhã em Foz do Iguaçu.

Mensagens na Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - I

TEMA: “Bíblia nos Vales, Desertos e Montanhas da Vida e do Ministério”
Texto Bíblico: Jó 42.10-17
18/01/2012 - Congresso da OPBB (Foz do Iguaçu)
Pr. David Baêta Motta

CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Saudações, reconhecimento e gratidão pelo convite. Creio ser um bom momento de compartilhamento de experiências sobre vales,  montanhas e desertos da vida, em função do momento que tenho vivido. Entendo que a metáfora “Montanhas, Desertos e Vales” aponta para momentos positivamente climáticos (a escalada do Everest), mas aponta também para momentos ruins (o vale da sombra da morte).
Confesso que gosto muito do livro de Jó. Convido-os a que se juntem a mim e pensemos, por alguns momentos, sobre a relação Deus e Jó.
Jó, que chegara ao limiar da blasfêmia, se rende ao Senhor. Mesmo cheio de feridas purulentas em seu corpo e com profunda dor emocional, ele se rende à soberania do Senhor, tanto naquilo que julgava entender, como naquilo que desconhecia.
Neste sermão, enfocarei a pessoa de Jó em sua relação consigo mesmo, quando se viu diante das implacáveis pressões e dos penosos sofrimentos surgidos dentro do mundo visível. Na verdade, estarei apresentando algumas conclusões pessoais à luz da história de Jó e as apresentarei em forma de princípios. Antes, porém, farei uma breve reflexão sobre o sofrimento “pastoral” quando somos afetados por alguma situação aversiva e exemplifico isso com os meus sofrimentos e minhas dores desde 2008 até agora na luta contra o câncer.

TRANSIÇÃO: As declarações a seguir não estão necessariamente numa ordem crescente de importância, mas ajudarão no entendimento do propósito motivacional deste sermão:

I – NINGUÉM É FORTE O TEMPO TODO, _____________________________________
Eis os níveis de sofrimento de Jó, quais sejam: o econômico, o social, o familiar, o psicológico, o físico e o espiritual.
Charles Swindoll (Jó, Um Homem de Tolerância Heróica, PP.51 e 52), examinado cada capítulo do livro de Jó, apresenta um roteiro da enfermidade e sintomas que acometeram Jó: feridas inflamadas, ulcerosas (2.7); coceira contínua (2.8); mudanças degenerativas na pele do rosto, desfiguração (2.12); perda de apetite (3.24); medo e depressão (3.25); feridas purulentas que se abrem, coçam, racham e supuram (7.5); vermes formados nas feridas (7.5); dificuldade para respirar (9.18); escurecimento da pálpebra (16.16); mau hálito (19.17); perda de peso (19.20; 33.21); dor excruciante, contínua (30.27); febre alta com arrepios e descoloração da pele, assim como ansiedade e diarreia (30.30).
O capítulo 3 de Jó apresenta um dos seus desabafos. Você deve notar que Jó em momento algum tem rompantes de fúria contra Deus. Ele simplesmente desaba diante da situação de tragédia. Atenção para este aviso você que é um super-homem:
__________________________________________________________________.
Os desabafos de Jó apontam para uma necessidade que todos nós temos, que é de, em dados momentos, abandonarmos nossas defesas pessoais e abrirmos a alma, em especial diante de quem não nos julga, mas nos compreende.
Há momentos sombrios em nossas vidas. Há momentos em que a esperança parece se esvair como fumaça. Em Eclesiastes 3.4, lemos que há “tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar,”. Precisamos nos dar o direito de sofrer, de reclamar, de chorar, de desabar, de reclamar e de se derramar diante de Deus. Afinal de contas, _____________________________________________.

II – TENHO UMA DOENÇA, _____________________________________
Jó foi pressionado o tempo todo. Pressão por dentro e por fora. A dor física, a dor emocional e a dor espiritual se somavam de maneira contundente. Conheço pessoas que são massacradas pela dor espiritual.
 A esposa de Jó (tão sofredora quanto ele e, certamente, em um momento de instabilidade emocional) toca exatamente em algo que era marca registrada em Jó: a INTEGRIDADE. Ela lhe faz um apelo letal: Então sua mulher lhe disse: "Você ainda mantém a sua integridade? Amaldiçoe a Deus, e morra! " Jó 2:9
A resposta de Jó diante do apelo letal de sua esposa mostra seu comportamento, ou melhor, sua motivação diante dos momentos em que a curva da vida está virada para baixo: “Aceitaremos o bem dado por Deus, e não o mal?” (2.10).
Confesso que não imaginava que o câncer fosse se manifestar outra vez e tão rápido em meu organismo. Afinal, fazia 11 meses de operado; uma cirurgia pesada, demorada, arriscada e de grande porte. Estava na expectativa de ficar um bom tempo sem a doença (talvez pelo resto da vida). Entretanto, de modo assintomático, surgem dois novos tumores no meu fígado e, como num filme rebobinado, todo o sofrimento cirúrgico, CTI, semi-intensivo, quimioterapia e tudo o mais não são uma realidade distante.
O diagnóstico médico é que devo me submeter à nova cirurgia imediatamente, e que depois dela virá mais uma etapa na qual me submeterei a sessões de quimioterapia, com todo o seu desconforto.
Esses últimos três anos têm sido de uma pancada atrás da outra. Imagino o que se passa na cabeça da minha esposa, que tem suportado e sofrido todas essas coisas comigo. Por favor! Orem sempre por ela pedindo força e conforto da parte de Deus, e não somente por ela, mas também por nossas filhas.
Tenho um grande amigo chamado Marcello Queiróz. Há poucos dias liguei para ele e num determinado momento da conversa, quando falava sobre o retorno da doença, ele me disse: David, você é um cara forte. Você está com uma doença, mas não está doente. Interessante foi que lembrei que o oncologista, Dr. José E. A. Lamarca, que há três anos cuida de mim de modo muito competente, disse a mesma coisa. A doença surge, mas não me faz adoecer. Até agora os procedimentos médicos têm sido satisfatórios dentro das possibilidades de uma doença insidiosa como o câncer.
Digo a você amado leitor deste artigo que há algo mais do que os procedimentos médicos poderiam fazer. Creio na existência do Deus Todo-Poderoso. Creio nele de todo o coração. Creio em suas intervenções. Sei que ele cura a quem quiser e dá forças a outros para suportarem situações humanamente implacáveis quanto esta que estou a viver.
O texto bíblico a seguir é um suporte para mim (“O espírito do homem o sustenta na doença, mas o espírito deprimido, quem o levantará?” (Provérbios 18.14)).
 Realmente o espírito fortalecido por Deus sustenta a pessoa no seu tempo de angústia, no seu tempo de doença. Dentro de alguns dias me submeterei à terceira grande cirurgia em três anos (obs. Isto já aconteceu no dia 28/2/11). Em média é uma cirurgia por ano. Entretanto, tenho vivido um inexplicável otimismo. Uma paz muito grande. Humanamente é impossível explicar isso. É algo que vai além de uma terapia psicológica (muito embora não abra mão dela, pois minha terapeuta, Dra Míria Ribeiro, tem me abençoado tremendamente); minha explicação para isso que sinto, para essa paz e otimismo, é que Deus está com as suas boas mãos sobre mim; Ele é o Meu Pastor e nada me faltará.
Há momentos em que meus olhos ficam molhados por um choro que não sai.
Em outros momentos, penso em todo o desconforto e riscos que vêm aí. Há horas em que parece que vou esmorecer. Nesses momentos, lembro de que não devo permitir que o meu espírito se deprima. Busco a Deus, oro, submeto-me à sua soberania e cuidados pastorais. Ele sempre tem uma forma de me fortalecer. Por isso, digo: tenho uma doença, mas não estou doente (abatido), pois o meu Pastor está comigo.

III – MANTENHA-SE _________________________
Comprei um aparelho, liguei na tomada e depois de um tempo tirei da tomada e ele não funcionou. Fiz algumas tentativas e nada deu certo. Liguei para a assistência técnica que me mandou ler o manual em determinada página que dizia: para funcionar mantenha o equipamento conectado à rede de energia elétrica.
Esse foi o grande trunfo de Jó e é uma das maiores lições desse grande livro. Para funcionarmos bem é preciso que nos mantenhamos _____________ com a fonte da nossa “energia espiritual” o tempo todo. Jó creu em Deus mesmo quando as circunstâncias apontavam em sentido contrário e mesmo quando tudo conspirava contra a sua fé. Uma de suas mais solenes declarações de fé é aquela achada em 13.15: “Embora ele me mate, ainda assim esperarei nele;”.
Outra significativa declaração de um homem ____________ está em Jó 23.10: “Mas ele sabe o caminho por que eu ando; provando-me ele, sairei como o ouro.”.  Essa é uma declaração de esperança confiante.
Ele desenvolveu a esperança confiante no Senhor. Diante das incertezas sobre onde Deus estava, diante da dolorida busca pelas razões do silêncio de Deus, em todo tempo, ao contrário de desanimar e desertar, Jó optou por esperar e confiar.
Não abra mão de Deus em tempo algum, quer nos vales, quer nas montanhas, quer nos desertos, mesmo que você ache que ele está em silêncio ou age de modo injusto de acordo com o seu padrão de justiça. Creia nele o tempo todo. Aceite sua soberania. Assuma que até mesmo nos inexplicáveis da vida que causam profunda dor, Deus tem de alguma forma controle sobre tudo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Algumas vezes, na caminhada cristã, torna-se necessário um pouco de solidão, isto é, estar sozinho, estar consigo mesmo de modo a “contar” os dias da sua vida. Em tempos assim, aprendemos que não somos fortes o tempo todo. Aprendemos a administrar situações e a nos mantermos conectados com Deus a todo tempo. As tentações nos vêm e de alguma forma, como aprendemos em Jó, elas fazem parte de um grande projeto de Deus para o nosso bem-estar. Se nos saímos bem, somos fortalecidos. Se cairmos, ele age como fiel sumo sacerdote que nos acolhe, nos ampara sempre nos estendendo sua forte mão.
Creio firmemente que continuamos a ser criados, a ser formados em meio aos implacáveis pressionamentos da vida. Esta era a experiência que mais falava alto na experiência do profeta Jeremias: somos formados pelo grande oleiro todos os dias, até ser dia perfeito.

Fonte: http://www.opbb.org.br/

Jornada de Oração

Amanhã, a partir de 6h 59min, acontece a Jornada de Oração, estendendo-se até 21h.
Desejando, participe.
 

Zel Humor - Charges/Caricaturas

Registro, mais uma vez, a homenagem que recebi de um dos maiores artistas que conheço.
Confira seus trabalhos em http://zelhumortotal.blogspot.com/

Amando Nosso Trabalho


Por Robert J. Tamasy


Alguns de nós somos afortunados e temos trabalhos que realmente apreciamos. Porém, de acordo com pesquisas, a grande maioria de homens e mulheres no mundo profissional e empresarial não gosta e até mesmo odeia o trabalho que faz. Na melhor das hipóteses, eles toleram o que têm que fazer todos os dias para ganhar a vida. Você é um deles?  

Você gostaria de dizer com sinceridade, “Amo o meu trabalho”? Como seria começar o dia com a expectativa boa de encontrar oportunidades e desafios no seu ambiente de trabalho e não com medo e ansiedade? “Bom, vou ter que mudar de emprego”, diriam muitos, talvez. Mas recentemente ouvi uma história intrigante que parece indicar que não precisa ser necessária uma mudança de emprego para se ter um trabalho que amamos. 

Em uma reunião do Grupo de Apoio a Câncer que compareci (minha esposa é uma sobrevivente de câncer), uma mulher estava contando sobre uma pessoa inspiradora que conheceu quando fazia o tratamento. Ele era manobrista do estacionamento do hospital.

“Aquela mulher era surpreendente”, ela disse. “Ela amava o seu trabalho e amava a cada paciente, que chegava todos os dias para consultas. Nunca deixou de exibir um grande sorriso e tinha uma palavra de ânimo para cada um de nós. Ela me deixou impressionadaEla estava lá todos os dias, no calor mais abrasador ou frio congelante, concentrada em cumprimentar cada paciente e fazer que seu dia fosse um pouco mais luminoso”.  

Como administradora de uma fundação, a mulher que contava essa história pensou consigo mesma: “Este é o tipo de pessoa que precisamos contratar como recepcionista”. E ela ofereceu emprego para a manobrista que, com seu sorriso habitual, educadamente recusou. Ela explicou que não poderia deixar seu emprego, não porque fosse bem remunerada, mas porque em sentido bem real, se tornara seu “emprego dos sonhos”. Ela buscava cada dia pela oportunidade de oferecer uma palavra gentil, dar a alguém o sorriso que necessitava ou fazer brilhar a luz da esperança para quem precisasse desesperadamente dela. Numa palavra, ela via seu emprego como sacerdócio.

E se nós adotássemos a mesma atitude, vendo nossos empregos como sacerdócio – oportunidade para servir e auxiliar outras pessoas e não apenas como fonte de recursos ou forma de preencher o tempo entre os finais de semana? Mas como fazer isso, especialmente se nossas circunstâncias estão longe de ser as ideais? Considere os seguintes conselhos da Bíblia:

Mantenha o foco no que é positivo. Certamente existiam aspectos no trabalho daquela manobrista que não eram perfeitos e ela poderia mudar se quisesse. Mas ao invés disso ela se concentrou nas outras pessoas. “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas” (Filipenses 4.8). 

Lembre-se de Quem você realmente serve. Precisamos ver nosso trabalho como parte de algo maior. Séculos atrás, observando um pedreiro, alguém lhe perguntou se ele não ficava cansado do seu trabalho. “Não”, respondeu o pedreiro, “porque estou construindo uma catedral”. “Escravos, obedeçam em tudo a seus senhores terrenos... Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor... É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo” (Colossenses 3.22-24).   


Texto de Robert J. Tamasy, vice-presidente de comunicações da Leaders Legacy, corporação beneficente com sede em Atlanta. Georgia, USA.  Com mais de 30 anos de trabalho como jornalista, é co-autor e editor de nove livros.Tradução de Mércia Padovani.Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes (fortes@cbmc.org.com)

A Igreja como Corpo de Cristo (II)

            Seguindo nossa linha de reflexão no ano do Jubileu de Pérola da Igreja, destacamos alguns conceitos que precisam ser bem compreendidos:

1º - Igreja sou eu e é você. Pode ser que alguém evoque Nelson Rodrigues: “Isso é o óbvio ululante!”. Parece que sim, mas não é. Vejamos na prática: já percebeu como há crentes que falam mal da Igreja? Não, propriamente, da nossa, falo da Igreja de Cristo expressa nas suas comunidades locais. Tal prática é uma confirmação do postulado, pois se houvesse tal entendimento não se falaria mal de si mesmo. Pregando em nossa Igreja há mais de 15 anos, dr. Ademir Pimentel, hoje Desembargador do Estado, expressou-se assim: “Há crentes que saem do culto de manhã e, no almoço, o cardápio inclui falar do pastor, dos diáconos, de irmãos e irmãs da Igreja”. Arrematou o eminente Desembargador: “E depois querem que os filhos sejam crentes!”.

2º - A Igreja tem um dono. Na verdade, nem é um dono. É o dono: Jesus Cristo. Ele a instituiu, deu a vida por ela, luta por ela (lembra-se da resposta a Paulo: “Eu sou Jesus a quem tu persegues!”?) e virá buscá-la para levá-la ao céu. E é Paulo, agora convertido e parte da Igreja, quem ensina: “...para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito” - Efésios 5.27.

3º - Na Igreja, todos são importantes. Diferentemente de qualquer outra instituição, a Igreja é a única em que todos os seus estão em pé de igualdade. E isso tem uma explicação lógica ao analisarmos a metáfora do corpo. Que parte do corpo é mais importante? Um ortopedista informou-nos que o cóccix nenhum valor tem, a não ser quando a mulher está grávida. Depois, pode arrancar e jogar no lixo (então, tem valor!). Sem querer ser ofensivo aos médicos, parece-me, que tudo que Deus faz tem utilidade. A questão aqui não é discutir anatomia ou outra questão em que os médicos entendem mais e, sim, realçar que, no corpo, não abrimos mão de qualquer parte. No corpo de Cristo, a mesma coisa: nenhum é mais importante que o outro. E, se vivermos o evangelho, veremos que “quem quiser ser o maior que seja o menor”.

Querida ovelha do Braga, no ano do Jubileu, relembre que Igreja sou eu e é você, Jesus é o dono dela e que todos somos iguais. Assim, renovemos nossos votos de serviço ao Senhor para que mais pessoas sejam alcançadas para o reino de Deus.